Crescimento do jiu-jitsu faz termo “creonte” virar coisa do passado

O crescimento do jiu-jitsu no mundo fez o esporte se tornar profissional, com isso as equipes cresceram e o vai e vem de atletas foi virando algo normal, pois se uma equipe é mais profissional que a outra tudo se torna compreensível. Podendo oferecer um melhor treino e um projeto profissional com mais ganho financeiro e de marketing.

No Rio de Janeiro, o termo “Creonte” surgiu quando o grande mestre Carlson Gracie, verbalizou a palavra para aqueles que deixavam sua equipe. Naquele momento era natural essa denominação, pois uma coisa é certa, como vou abandonar aquela equipe que tudo me deu, principalmente o conhecimento técnico e me ensinou a lutar jiu-jitsu. Era um tempo romântico, ao melhor estilo samurai.

O BJJ chegou em um grande patamar e grandes equipes começaram a seduzir grandes nomes de equipes pouco organizadas e a debandada começou a ser o momento de ter uma vida melhor. É como trocar de empresa ou de time. Romário foi formado no Vasco e virou ídolo no Flamengo, quem poderia imaginar isso?

Em minha humilde opinião oque não pode acontecer é o esquecimento daquele que te deu todo conhecimento no momento mais importante do seu aprendizado, o seu primeiro mestre. Lutar por outro time não te coloca como um verdadeiro creonte, se o seu respeito se manter, tudo vai ser compreendido.

Bons exemplos foram as grandes campeãs Tayane Porfirio que saiu da Alliance Rio de Janeiro para a academia do grande campeão, Roger Gracie em Londres e Claudia do Val, que saiu da equipe De La Riva e agora se encontra no time da Soul Fighters.

Quando o mestre se torna o CREONTE:

Isso acontece muito, as vezes o aluno não consegue receber o apoio do seu mestre e isso é mais natural que muitos imaginam, afinal o mestre também é um ser humano e consegue pecar ao escolher um pequeno grupo. Um erro gravíssimo, mestre é mestre, não pode errar neste aspecto e muitos que se sentem abandonados, fizeram o mesmo com seus alunos. Aqui estamos falando daqueles alunos normais, vamos esquecer os campeões e melhores do time. Todos tem a mesma importância.

Um atleta que se dedica e respeita seu time, independente do seu mestre, tem o direito de escolher seu melhor caminho, pois o esforço é unicamente de um único cidadão, o próprio atleta. As perdas na vida são materiais e sentimentais também, professores de verdade tem o dever em compreender primeiramente o seu aluno para depois compreender o porque de suas atitudes.

Mestre que é mestre não pode perder sua essência de educador, amigo, confidente e aquele que te vai compreender em qualquer situação. Independente de se sentir “creontado”, em algum momento o mestre vacilou sem ao menos perceber.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*